Modelo Minnesota

EM QUE CONSISTE O MODELO MINNESOTA?

O Modelo Minnesota nasceu nos Estados Unidos há cerca de 50 anos no Estado do Minnesota, tendo-se vindo a implantar em inúmeros países com enorme sucesso. Devido às altas taxas de recuperação que consegue atingir, pode mesmo ser considerado dos Modelos mais eficazes no tratamento da DEPENDÊNCIA QUIMICA. Baseia-se na filosofia dos 12 Passos dos ALCOÓLICOS/NARCÓTICOS ANÓNIMOS. Consiste num modelo psicoterapêutico de origem humanista cujo objectivo é a abstinência total do consumo de substâncias psicoactivas, capazes de provocar oscilações artificiais do estado humor/comportamento do indivíduo.Pretende-se com este modelo ensinar o dependente e a sua família a modificar as suas atitudes e comportamentos através de um método de trabalho que assenta nos princípios dos grupos de auto-ajuda, grupos de sentimentos, terapia racional-emotiva, psicologia transaccional, palestras, filmes didácticos e terapias individuais. Através destas técnicas o indivíduo adquire uma consciência, até então inexistente, das implicações da sua doença, e consequentemente uma maior responsabilização pela sua recuperação.Através da partilha aprende com outros com os outros elementos do grupo a identificar e a lidar de forma construtiva com os seus sentimentos e emoções e não de forma destrutiva como fazia no tempo do consumo de substâncias psicoactivas. Este modelo abrange também o tratamento dos DISTÚRBIOS DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR (OBESIDADE, ANOREXIA E BULIMIA), assim como o JOGO, visto toda e qualquer dependência física ou não, ser antes de tudo um DISTÚRBIO DO COMPORTAMENTO/EMOCIONAL.

O QUE É A DEPENDÊNCIA QUÍMICA?

A Dependência Química é uma doença crónica, progressiva e fatal caso não seja detida e tratada a tempo. É no entanto uma doença tratável. Afecta o indivíduo em todos os níveis do funcionamento bio psicossocial, debilitando a parte Física, Psicológica, Emocional e Espiritual, tendo também como característica peculiar afectar a família como um todo.
O prazer inicial proporcionado pelo consumo de álcool ou das outras drogas acaba por se transformar em dor emocional. O consumo de álcool ou de drogas aumenta gradualmente até que o indivíduo não consegue mais controlar-se. Aparecem então as consequências físicas, emocionais, sociais, intelectuais, profissionais/escolares, associadas aos sentimentos de culpa, vergonha, raiva, medo, frustração e arrependimento, sendo o prazer cada vez menor e o sofrimento cada vez maior.
As suas características estão definidas pelo ICD 10 da Organização Mundial de saúde, assim como pela Associação Psiquiátrica Americana, através do DSM -IV Manual de Diagnóstico Estatístico.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA DOENÇA?

Compulsão - é um desejo/necessidade praticamente incontrolável de beber ou consumir Drogas. Actua na parte Física/Emocional do indivíduo.

Obsessão – a finalidade da sua vida é só uma: consumir álcool ou drogas, seja a que preço for, perdendo a capacidade para avaliar as consequências, minimizando-as.

Perda de Controlo – A partir dos primeiros consumos, o dependente deixa de controlar o consumo da substância. Com a progressão da doença ele começa a adaptar a sua vida ao consumo da sua (s) droga (s) de escolha, perdendo a capacidade para executar as tarefas mais simples, sem estar sob o efeito da mesma.
VIVE PARA CONSUMIR E CONSOME PARA VIVER

QUAIS SÃO AS FASES DA DOENÇA?

Inicial - Alta tolerância. Não existem grandes consequencias físicas ou emocionais. O relacionamento com a família, amigos, profissional ou escolar não é afectado. No entanto o consumo mesmo que reduzido já leva o indivíduo a uma sensação ilusória de prazer.

Intermédia - Quase sem se aperceber começa a aumentar o consumo de álcool ou das outra drogas para obter o efeito inicial desejado. Se o indivíduo interrompe abruptamente o consumo de álcool ou outras drogas sente inevitavelmente sofrimento físico e emocional. É o chamado "Síndrome de Abstinência". Nesta fase a doença já está caracterizada como tal, e por mais que o indivíduo queira controlar o consumo ou parar de consumir, o sofrimento físico e emocional provocado pela abstinência é tanto, que faz com que esse compromisso seja quase impossível de ser mantido. Precisa de ajuda técnica/profissional para o fazer.

Final - É a fase do isolamento. O indivíduo isola-se da família, amigos e colegas de trabalho para poder beber ou consumir drogas. Normalmente abandona as responsabilidades, deixa de progredir profissionalmente, chegando a perder o emprego e a ter problemas policiais. As suas perdas e prejuízos são significativos. Sente-se irritado, enervado, tem atitudes agressivas, deixa de sentir prazer e alegria. Está sempre deprimido e só sente sofrimento. Se a doença não for detida, ele poderá vir a morrer precocemente.

A dependência química ou emocional é uma doença caracterizada pela forte negação. Apesar de estar cheio de problemas em todas ou na maior parte das áreas da sua vida, o dependente nega que tenha um problema e dificilmente aceita ajuda.

Através de técnicas terapêuticas de intervenção é possível quebrar a referida negação, levando o dependente e a família a procurar ajuda profissional com a finalidade deste se tratar e entrar em recuperação, tornando-se num cidadão útil e produtivo da sociedade, através da abstinência do consumo de substâncias psicoactivas e da mudança de estilo de vida. Este trabalho é feito com ajuda técnica de uma equipa multidisciplinar com formação nos Estado Unidos e Portugal, composta entre outros, por 1 MÉDICO PSIQUIATRA, 1 MÉDICO DE CLÍNICA GERAL, 1 EQUIPA DE ENFERMAGEM, 3 TÉCNICOS DE ACONSELHAMENTO, 3 MONITORES E 1 NUTRICIONISTA.

QUAIS AS SUBSTÂNCIAS CAPAZES DE PROVOCAR ALTERAÇÕES DO ESTADO DE HUMOR E DE GERAR DEPENDÊNCIA?

São muitas as substâncias psicoactivas que alteram o estado de humor e provocam dependência, sendo as mais comuns as seguintes:

Álcool, Fármacos, Alucinogénios, Cafeína, Heroína, Crack, Solventes (Colas), Nicotina, Cocaína, Canabis (Haxixe), Ecstasy.

COMO IDENTIFICAR UM POSSÍVEL CONSUMIDOR DE DROGAS OU ALCOOL?

Verificando se há:

  • Mudança brusca de comportamento
  • Isolamento da família
  • Irritabilidade sem motivo aparente
  • Mudança nos hábitos de sono, alimentares, higiénicos e de vestuário
  • Quebra de rendimento escolar/profissional
  • Alteração do estado emocional (humor, euforia, depressão, insónia, etc.)

No entanto tenha o máximo cuidado em não rotular o seu filho, marido, mulher, aluno ou colaborador pois estes poderão apresentar alguns sintomas acima mencionados e não ser consumidores de drogas. A melhor forma de ter certezas é pedindo ajuda profissional a especialistas no assunto.